Cresce o número de violência doméstica e familiar em condomínios durante pandemia - Wecondo
Já é Cliente? (35) 9 8831-3867
Não é Cliente? (35) 3292-4700

Cresce o número de violência doméstica e familiar em condomínios durante pandemia



Cresce o número de violência doméstica e familiar em condomínios durante pandemia


Em tempos de pandemia, os números de violência doméstica e familiar no Brasil crescem ainda mais, uma vez que o país atualmente ocupa o 5º lugar entre os países mais violentos do mundo.

Uma obrigação de todos Moradores e Síndicos

No início do mês passado, foi aprovado pelo Senado o Projeto de Lei nº 2510/2020, que obriga moradores e síndicos a informar os casos ocorridos no ambiente para às autoridades. O texto inclui igualmente violência praticada contra crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência física ou mental. A ideia do projeto lei é de estabelecer que as pessoas denunciem os casos que ocorrem no ambiente condominial.

Precauções

Compete ainda ao síndico ou administradora “educar” a massa condominial para conter a violência doméstica, afixando placas, anotações e ou comunicados nas áreas comuns, preferencialmente em locais de maior circulação, por exemplo nos elevadores, para coibir a prática de violência doméstica e familiar. Ajudando e informando que a notificação é realizada sob anonimato, às autoridades públicas.

Vale ressaltar que a ação ou mesmo a omissão devem ser devidamente comprovadas.

-No caso da ação pode ser configurado como calunia

-No caso da destituição do síndico pode não haver fundamento para a referida destituição.

Procedimentos

- Acionar as autoridades policiais

- Exigir a interferência dessa autoridade.

- Solicitar o preenchimento do boletim de ocorrência

 

Aos condôminos fica o dever de comunicar ao síndico os atos de violência contra a mulher, para que este promova a obrigatória comunicação às autoridades policiais denunciando a violência contra a mulher. Como se sabe a vítima, que por motivos óbvios prefere muitas vezes se calar. 

A quem se aplica a lei?

A lei vale desde o condômino até mesmo o locatário, ou seja, qualquer morador, todos que usufruírem da unidade condominial não poderão praticar atos de violência contra a mulher, ficando sujeito às penalidades disciplinares do próprio condomínio. 

Além disso, impõe aos condôminos o dever de comunicar ao síndico os atos de violência contra a mulher, para que este promova a obrigatória comunicação às autoridades policiais. 

Dever de denuncia

Se acontecer algum caso de violência os condôminos têm o prazo de até 48 horas a partir do conhecimento dos fatos para apresentar denúncia ao síndico ou às autoridades.

Violência contra a mulher

Os casos específicos de violência contra a mulher devem ser preferencialmente denunciados através da “Central de Atendimento à Mulher — Ligue 180”.

Se o síndico não denunciar poder ser destituído

A nova lei inova traz o seguinte acréscimo à questão da destituição sob o fundamento da omissão nos casos em que haja necessidade de intervir em razão da violência doméstica, conforme:

§ 3º O descumprimento, pelo síndico ou administrador, do dever a que se refere o inciso IV do caput deste artigo:

I – Acarretará a destituição automática do síndico e do administrador de suas funções, desde que lhes tenha sido imposta, previamente, penalidade de advertência ou equivalente por assembleia geral especialmente convocada para esse fim;

Contudo, é importante lembrar que a destituição do síndico ou administrado demanda a formalização do ato, por meio de uma assembleia especialmente convocada para esse fim. Ou seja, toda a massa condominial, observando os preceitos dos artigos 1349 e 1355 do

Código Civil, deverá obter 25% de assinatura dos condôminos para convocar essa assembleia extraordinária tendo como pauta específica tratar da destituição do síndico.

Multas para o condomínio

No  Art 3º da mesma lei foi definido que:

II – Sujeitará o condomínio, a partir da segunda ocorrência, ao pagamento de multa de cinco a dez salários de referência, revertida em favor de programas de erradicação da violência doméstica e familiar contra a mulher, aplicando-se o dobro, em caso de reincidência.

Um serviço de utilidade pública

A Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência - Ligue 180 – é um serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato).

Não se cale, denuncie.

Experimente Grátis Calculadora

LGPD

Lei Geral de
Proteção de Dados

Nosso site coleta informações através de formulários, caso preenchidos por você, além de utilizar cookies, que são informações coletadas a partir do seu navegador de internet.

Ao utilizar nossos serviços, você concorda com nossa Política de Privacidade .

Estou de acordo