Os casos de inadimplências aumentaram muito durante a pandemia - Wecondo
Já é Cliente? (35) 9 8831-3867
Não é Cliente? (35) 3292-4700

Os casos de inadimplências aumentaram muito durante a pandemia



Os casos de inadimplências aumentaram muito durante a pandemia


Tendo em vista a pandemia do COVID-19, houve uma crise econômica no Brasil e no mundo, várias pessoas estão desempregadas ou com alterações em seus salários e rendimentos. Com isso casos de inadimplências aumentaram muito.

Os trabalhadores muitas vezes estão escolhendo algumas prioridades para pagamentos tendo em vista a queda de rendimentos, e muitas vezes alugueis, condomínios, entre outros não entram na prioridade. O site G1 apresentou uma pesquisa feita por uma empresa de administração de condomínios registrou, em abril, o maior índice de inadimplência de aluguéis de imóveis na Bahia, desde o ano de 2008, porém em todo Brasil em maio, ele abaixou novamente para um patamar semelhante ao anterior à pandemia.

Mesmo antes da pandemia uma pesquisa feita no Rio de Janeiro, mostra que a inadimplência em condomínios aumentou 7% nos últimos anos, passando de 5% em 2014 para 12% em 2017. Esses dados são de uma pesquisa encomendada pelo jornal O Globo e pela Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (Abadi).

Podemos ver que é um problema recorrente em casos de crises financeiras, por um lado, os moradores com dificuldades, de outro os condomínios com despesas fixas como funcionários, manutenção, segurança, contas de água, luz, gás e limpeza, tendo que renegociar para continuar o funcionamento correto e justo para os condôminos que pagam em dia.

O prazo para o pagamento atrasado é geralmente de 30 dias, dependendo da convenção do condomínio esse prazo pode ser de 60 ou até 90 dias.

O valor que o devedor deve pagar é o valor da cota condominial do mês e multa de 2% sobre o valor do debito, que pode ser sujeito também a jutos moratórios de 1% ao mês. Vale ressaltar que a cobrança de cotas condominiais prescreve em cinco anos, a partir do vencimento de cada parcela.

Há um Código Civil que entrou em vigor em 11 de janeiro de 2003, e seus artigos referentes a condomínios modificaram a Lei 4.591/64, as mudanças foram feitas para facilitar legalmente os cumprimentos das normas do condomínio.

Segundo o Art. 1.336. § 1o O condômino que não pagar a sua contribuição ficará sujeito aos juros moratórios convencionados ou, não sendo previstos, os de um por cento ao mês e multa de até dois por cento sobre o débito.

 A falta do pagamento pode geral um déficit de verbas para a empresa ou um aumento do pagamento dos demais moradores para quitar dívidas. O mais recomendado é o sindico primeiramente considerar o envio de uma carta de cobrança ao responsável, para resolver de maneira amigável. Se a dívida continuar, de acordo com o combinado em assembleia o sindico deve para entrar com uma cobrança judicial aos inadimplentes, onde se não ocorrer o pagamento, a quantia será penhorada em sua conta bancária e repassada para o condomínio.

É importante ressaltar que o inadimplente não pode ser proibido de usar as áreas comuns do condomínio, assim como o sindico deve ter cuidado para não constranger o devedor e não faça a cobrança em público, nem envolva outras pessoas que não tenham relação com o assunto.

Vocês devem estar se perguntando, como resolver os problemas de inadimplência principalmente em momentos de crises, listaremos aqui possíveis soluções.

            Criar uma comunicação saudável e frequente com os condôminos no intuito de informar a importância do pagamento em dia do condomínio, é importante principalmente em tempos de crises financeiras, afinal diversos serviços são prestados diariamente.

É preciso avaliar caso a caso, ver se a inadimplência é recorrente. Mas geralmente, pode-se caracterizar quatro tipos de devedores:

(1) ocasional, é aquele que sempre paga em dia, mas por conta de um imprevisto, ele não consegue cumprir com o compromisso;

(2) crônico, é um perfil de cliente que sempre atrasa o pagamento das suas dívidas;

(3) negligente, é um perfil de devedor que tende a ser mais descontrolado com suas finanças;

(4) mau pagador, aquele que não está aberto a negociações e tão pouco se incomoda com as medidas adotadas durante a cobrança.

Saber o tipo de devedor é importante para saber quais ações podem ser tomadas em cada caso.

O sindico para evitar essa situação desagradável deve fazer avisos prévios, facilitar segunda via, saber gerenciar os conflitos em casos de inadimplência, evitando brigas e estruturando negociações viáveis de acordo com cada caso. Uma carta na manga para evitar a inadimplência é a adoção de descontos para os moradores que pagam antes do vencimento e multas e juros para aqueles que atrasam como determina a lei.

Outra medida é o uso de cartões de créditos, parcelamentos e negociações para minimizar as situações de inadimplência.

Todos esses recursos, junto com uma boa administração podem evitar casos de inadimplentes, e, se vierem a acontecer, ter um bom plano de contenção e de soluções para todos os tipos de dívida.

Experimente Grátis Calculadora

LGPD

Lei Geral de
Proteção de Dados

Nosso site coleta informações através de formulários, caso preenchidos por você, além de utilizar cookies, que são informações coletadas a partir do seu navegador de internet.

Ao utilizar nossos serviços, você concorda com nossa Política de Privacidade .

Estou de acordo